16/03/2014: 2º Domingo da Quaresma

MT 17, 1-9

 

“Este é o meu Filho amado, que muito me agrada”

 

             Esse trecho vem logo após o diálogo com Pedro e os discípulos sobre quem era Jesus e como deveria ser o seu seguimento: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e me siga” (16, 24). Começando a passagem com as palavras “seis dias depois,” Mateus quer ligar estreitamente o texto com a mensagem anterior sobre a cruz.

             Neste momento Jesus “subiu à montanha” (v. 1), e aparecem Moisés e Elias, símbolos da Lei e dos Profetas. Assim Mateus mostra que Jesus está em continuidade com as Escrituras, isso é, o caminho que Jesus segue está de acordo com a vontade de Deus. Os dois personagens, tanto Moisés como Elias, eram profetas rejeitados e perseguidos no seu tempo - Mateus aqui vislumbra o destino de Jesus, de ser rejeitado, mas também de ser vindicado por Deus. E Pedro faz uma sugestão descabida: “Senhor, é bom ficarmos aqui. Se queres, vou fazer aqui três tendas: uma para Ti, uma para Moisés e outra para Elias” (v. 4). Claro, era bom ficar ali, num momento místico, longe do dia-a-dia, da caminhada, das dúvidas, dos desentendimentos, da luta. Quem não iria querer? Mas, não era uma sugestão que Jesus pudesse aceitar. Terminado o momento de revelação, Jesus estava sozinho, e “desceram da montanha” (v. 9). Por mais gostoso que pudesse ser ficar no Monte Tabor, era precisa descer para enfrentar o caminho até o Monte Calvário! A experiência da Transfiguração está intimamente ligada com a experiência da cruz! Quem sabe, talvez a força da experiência do Tabor tenha dado a Jesus a coragem necessária para agüentar a experiência bem dolorida do Calvário!

É interessante que a Exortação Apostólica “Vita Consecrata” usa a imagem da Transfiguração como paradigma para a vida consagrada - mas, por extensão, também serve para a vida cristã de todos os batizados. O Papa João Paulo II sugere que os religiosos (as) - e aqui aplicamos a todos as/os cristã(o)s - devem subir o Monte Tabor para serem transfigurados, para depois descerem para “lavar os pés” dos irmãos e irmãs! Uma linda imagem! Todos nós - seja qual for a nossa vocação - precisamos de momentos de oração profunda, de união especial com Deus. Mas estas experiências não são “intimistas” - nos aprofundam a nossa fé e o nosso seguimento, para que possamos seguir o exemplo d’Ele que lavou os pés dos discípulos: “Eu, que sou o Mestre e o Senhor, lavei os seus pés; por isso vocês devem lavar os pés uns dos outros” (Jo 13,14).

            Também esse trecho pode nos ensinar a valorizar os momentos de “Tabor”, os momentos de paz, de reflexão, de oração. Pois, se formos coerentes com a nossa fé, teremos muitas vezes de fazer a experiência de “Calvário”! E somos fracos demais para agüentar essa experiência - por isso busquemos forças na oração, na Palavra de Deus, na meditação, - mas sempre para que possamos retomar o caminho, como fizeram Jesus e os três discípulos! E para os momentos de dúvida e dificuldade, o texto nos traz o conselho melhor possível, através da voz que saiu da nuvem: “Este é o meu Filho, que muito me agrada. Escutem o que ele diz!” (v. 5). Façamos isso, e venceremos os nossos Calvários!

Palavra do Papa

Por ocasião da Quaresma, ofereço-vos algumas reflexões com a esperança de que possam servir para o caminho pessoal e comunitário de conversão. Como motivo inspirador tomei a seguinte frase de São Paulo:... Leia mais...

A Voz de Jão Paulo II

Cristo exerceu sua função de Mediador, sobretudo, através da imolação de sua vida no sacrifício da cruz, aceito por obediência ao Pai. A cruz continua sendo o caminho "obrigado" do encontro com Deus. Leia mais...

A voz do Coordenador

A palavra Filosofia, possivelmente, já causou certo desconforto em muitas pessoas, pois ela analisa e testa criticamente as teorias mais divulgadas e influentes. Tais teorias constituem o ponto de partida para toda ciência e de toda a Filosofia. Toda Filosofia deve partir das opiniões incertas e perniciosas do senso comum acrítico. Leia mais...